baby, teddy bear, play-623417.jpg

Pais de crianças em casa em isolamento profilático continuam a receber 100% dos apoios

  • Post author:
  • Post category:Covid-19

Governo esclarece que o apoio criado durante a pandemia para pais que fiquem em casa com filhos menores de 12 anos mantém-se a 100% em casos de isolamento profilático. No entanto, tal não se aplica se o regresso ao domicílio se der por encerramento da escola, tendo apenas a falta justificada.

Os pais que tenham de ficar em casa com filhos até aos 12 anos de idade devido ao isolamento profilático decretado por suspeita de Covid-19 continuam a beneficiar dos apoios criados, adianta o Público.

Governo esclarece que os subsídios de remuneração a 100% criados em março de 2020 para trabalhadores por conta de outrem que têm de ficar em casa para dar assistência a filho ou neto em isolamento profiláctico mantém-se este ano letivo.

A situação, idêntica à do ano passado, implica que os pais ou responsáveis educativos que tenham de ficar em casa apenas têm direito ao apoio se as autoridades de saúde determinarem o isolamento profilático da criança. Por outro lado, em caso de encerramento da escola ou da turma ser mandada para casa — ou seja, sendo casos em que não há declaração de isolamento —, os pais podem pedir faltas justificadas, mas não a remuneração integral dos dias que faltarem.

A Direção-Geral da Saúde decidiu flexibilizar as regras de isolamento nas escolas, sendo que turmas inteiras já não vão ser obrigadas a ficar em casa durante duas semanas sempre que seja detetado um caso positivo, como aconteceu a partir de abril, quando a DGS reviu o protocolo de atuação para essas situações.

As orientações, já revistas, indicam que os contactos considerados de baixo risco ou que testem negativo devem regressar à escola. Já em situação de ‘cluster’ ou surto, as autoridades de saúde podem determinar o encerramento de uma ou mais turmas ou zonas da escola, ou de todo o estabelecimento de ensino.

No entanto, “os contactos de baixo risco e/ou os contactos de contactos cujos testes sejam negativos devem interromper o isolamento profilático, retomando a respetiva atividade letiva”.

O pedido de subsídio deve ser feito à Segurança Social, sendo que os pais têm direito a receber um apoio correspondente a 100% da remuneração de referência líquida, tendo como limite mínimo 65% da remuneração ilíquida. Já no caso de ser feita assistência a um neto, o subsídio pago aos avós corresponde a 65% da remuneração de referência.

fonte: https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/pais-de-criancas-em-casa-em-isolamento-profilatico-continuam-a-receber-100-dos-apoios

admin

Web Designer da Empresa GBC-BEAM.